Editorial plus size para nossa autoestima ficar gordinha

"Mulher em frente à janela", obra de Fernando Botero. O pintor se notabilizou por pintar a exuberância das meninas tamanho G

Sou uma menina tamanho G, como se diz por aí, e nunca tive sérios problemas com isso, com exceção da infância, quando os apelidos me faziam chorar na escola, ou quando a minha avó, costureira, dava bronca porque o vestido que ela havia terminado de fazer para mim já estava apertado. Meia hora depois da bronca, lá estava eu na cozinha atrás de uma merendinha. Mas, ainda na adolescência, desencanei com o meu corpo e passei a gostar de tudo o que é fora dos padrões em mim. Sempre tive atenção com o peso por questões de saúde, nunca porque queria ser a capa da revista. Obesidade é doença e por isso eu monitoro direitinho até onde termina meu “excesso de fofura” e começam os riscos cardio-vasculares.  Minhas articulações e o fôlego para subir uma escada são os termômetros.

Mas a tendência atual é que outras meninas tamanho G encontrem seu espaço no mundo da moda e da beleza, pois a diversidade é uma das metas desse novo milênio em que as pessoas (pelo menos as sensatas), saturadas de máquinas e inventos, tentam reencontrar-se (reconciliar-se) com o que há de humano, de fato, em nós. E nada mais humano do que aceitar e admirar o outro, o diferente, o que foge aos padrões. Do contrário, sem essa capacidade de compreensão, tolerância e aceitação,  não passamos de “macaquinhos falantes e enfeitados”, reunidos em “panelinhas” e isolados da verdadeira beleza que a diversidade proporciona. Pois agora, que os sensatos (viva!!), aos poucos, vão quebrando a rigidez da tal ditadura da moda, as meninas tamanho G podem e devem ser capa da revista…

Toda essa digressão é só para mostrar para vocês as fotos do making off de um editoral de moda plus size da modelo Fluvia Lacerda (menina tamanho G, como eu!).  Assim, quem sabe, ajudo a “desencanar” outras mocinhas. Encaro as meninas tamanho G da seguinte forma, elas tem tudo sobrando sim! Sobra mais amor, mais charme, mais sensualidade, mais carinho para dar, mais colo onde se aconchegar… hummm, delícia!

Se você é menina tamanho G, não chore mais na hora do recreio, passe um batom bonito, vista uma roupa que te valorize, levante a cabeça, empine o nariz e faça como a Fluvia, brilhe! No mundo há sim, muito espaço para a sua beleza. E se  a obesidade é doença, lembre que anorexia também é!

O editorial – Fluvia Lacerda  já fotografou campanhas para as marcas americanas Igigi, Torrid, Monif, Eliza Parker, entre outras, e para  a espanhola Biluzik. Pode ser vista também em revistas como Glamour, Latina e Pulse Magazine. Ou seja, verdadeira cover girl (garota da capa). Esse editorial das fotos abaixo tem styling assinado pela equipe CHIC, da Gloria Kalil, e as imagens são de Charles Naseh.

>>Veja mais imagens e leia sobre a Fluvia: o link é este.

Equipe de styling dá os últimos retoques no visual de Fluvia


Uma pose clássica e cheia de charme, como uma musa de Botero

Anúncios
Esse post foi publicado em Bastidores, Beleza, Corpo, Editoriais de Moda, Estilo, Moda, Moda feminina, Plus Size e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Editorial plus size para nossa autoestima ficar gordinha

  1. Pingback: Tweets that mention Editoral plus size para a nossa autoestima ficar gordinha « Conversa de Menina -- Topsy.com

DEIXE UM COMENTÁRIO!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s